HÁ SEMPRE UM LIVRO...à nossa espera!

Blog sobre todos os livros que eu conseguir ler! Aqui, podem procurar um livro, ler a minha opinião ou, se quiserem, deixar apenas a vossa opinião sobre algum destes livros que já tenham lido. Podem, simplesmente, sugerir um livro para que eu o leia! Fico à espera das V. sugestões e comentários! Agradeço a V. estimada visita. Boas leituras!

My Photo
Name:
Location: Norte, Portugal

Bibliomaníaca e melómana. O resto terão de descobrir por vocês!

Sunday, September 14, 2008

"Olhos de Cão azul" de Gabriel García Márquez (Dom Quixote)


Apesar da escolha do título, aparentemente lírico, Olhos de Cão Azul, esta colectânea de contos de Gabo escrita na sua juventude, mais precisamente entre os anos de 1947 e 1955, traz à luz do dia o lado mais sombrio deste autor de origem colombiana: um lado depressivo, uma atracção pelo mórbido e pelo macabro a lembrar tempos difíceis, anteriormente à sua consagração como escritor, aos quais não estão alheias algumas perdas e privações.

A Morte e os seus múltiplos rostos, assim como a existência do “outro lado”, a teoria da metempsicose, são os temas principais, abordados ao longo da obra, num discurso que lembra, por vezes, a “voz” de Edgar Allan Poe ou Franz Kafka e a célebre A Metamorfose.
Olhos de Cão Azul marca, assim, a fase inicial da carreira de GGM parecendo, de alguma forma, situá-lo no limbo entre o gótico e o romantismo mas onde se notam já as marcas características do realismo mágico: o inverosímil no quotidiano, marcado pela presença do absurdo e por aquilo que não parece ter uma explicação racional, um lirismo, patente, neste caso principalmente, no comportamento e na componente emocional do imaginário das personagens femininas. Uma característica que se torna particularmente notória nos dois últimos contos, embora também, já bastante presente na estória que dá nome à colectânea Olhos de Cão Azul.

Todas estas pequenas estórias estão agrupadas segundo uma ordem cronológica, havendo entre elas, uma sequência, melhor dizendo, um fio condutor, apesar de poderem ser lidas separadamente. Estão, na sua maior parte acopladas duas a duas, excepto as de 1950 – cinco ao todo – a de 1951 – apenas uma, independente e isolada das restantes, mesmo no tocante ao tema e à personagens que a protagonizam. E depois, a de 1954 e a de 1955, as quais se podem associar por tratarem uma visão complementar da mesma estória.

Cada grupo de estórias contém duas faces da mesma moeda – no caso das que datam do ano de 1950 podem ser encaradas como as cinco faces de um pentágono, uma vez quie existem vários aspectos que as aproximam.

As estórias

O conteúdo temático das estórias de Olhos de Cão Azul exibe as cores da melancolia e de uma certa desesperança à qual não é alheia a nostalgia relativa a um período de felicidade que se cristalizou no passado – a primeira infância a lembrar um pouco o cenário sombrio de alguns contos de Tatiana Tolstoi, cujos contornos se diluem e alteram nas brumas do tempo obrigando à sua recriação. Esta tónica sombria é ,no entanto, temperada por uma exuberância discursiva tipicamente sul-americana, condicionada pelo clima luxuriante, pela fauna e pela flora.

Os primeiros dois contos – 1947 – intitulados de A Terceira Resignação e Eva está dentro do seu Gato falam da morte de um jovem. O primeiro, trata de uma vida, mantida artificialmente, com a ajuda da tecnologia. Uma vida vegetativa que tenta prolongar uma infância feliz, interrompida de forma brusca. No segundo, a figura central é uma mãe que enlouquece após a morte – desta vez definitiva, do filho. Apercebemo-nos que se trata das mesmas personagens cujo desenvolvimento é contado a partir do olhar de personagens e tempos diferentes.

Há, nestes dois contos, uma fractura relativamente ao mundo “real” e ao “outro” – o das sombras, o reino do Hades. Trata-se da temática da metempsicose tão ao gosto dos clássicos como Platão, Sócrates e, também, de Kafka, mais propriamente em A Metamorfose, uma das obras que mais perturbou García Marquez na sua juventude.

De 1948 fazem parte Tubal-Caín inventa uma Estrela e A Outra Costela da Morte. Trata-se de uma estória de dois gémeos onde a morte de um deles é contada, na primeira versão, pelo ponto de vista do morto – o testemunho da sua própria agonia – e, no segundo, pela voz daquele que lhe sobrevive cuja alegria é manchada pela dor da perda, que se agregam à solidão e ao remorso por ter sobrevivido.

No primeiro caso, temos um sentimento omnipresente de paranóia despoletada pela vertigem seguida da ressaca da cocaína que culmina num suicídio. No segundo encontramos alguém que ainda está na posse da sanidade mental mas que receia, também, entrar no vórtice da esquizofrenia pelo facto de possuir os mesmos genes que o irmão, do qual de ora a vante só conseguirá observar o rosto do outro lado do espelho.

De 1949, surgem mais dois contos a falar da temática da morte na juventude em Diálogo de Espelhos e Amargura para três Sonâmbulos. Trata-se de dois contos que são o prolongamento dos dois anteriores, de 1948. O primeiro, relata uma viagem na barca de Caronte do irmão falecido por outro irmão sobrevivente – que continua a enxergá-lo vivo do outro lado do espelho ao contemplar o próprio rosto enquanto faz a barba. A vida chama-o, no entanto, lá de fora, pela necessidade continuar a fazer as compras na mercearia, os males do mundo que entram pelas janelas e pelas frinchas como vindos da caixa de Pandora que é o Mundo e que o impelem, obrigam a viver…
No segundo, ocorre a transformação da mãe, mas desta vez, vista de fora, isto é vista pelos olhos daqueles que com ela convivem - os dois irmãos sobreviventes – e observam a progressiva queda no abismo da loucura a partir do momento em que afirma “Não volto a sorrir”.

1950 é um ano particularmente profícuo no que respeita à produção de contos de García Márquez: Natanael faz uma Visita, Olhos de Cão Azul, A Mulher que chegava às seis, A Noite dos Alcaravões e Alguém desarruma estas Rosas.

São cinco contos, independentes uns dos outros, detentores de particular beleza onde passamos a amar as personagens pela sua fragilidade.

O primeiro, emerge do centro de um torvelinho a envolver quatro ventos cruzados que rodeiam Natanael, o qual trava um diálogo casual com um engraxador que nunca consegue emitir uma opinião acerca de seja o que for. Tal como a jovem que o destino coloca diante de si. Indecisa, de uma indiferença prosaica, uma apatia que a impossibilita de qualquer diálogo aproximativo. Uma mulher de afectos estéreis que não sabe amar. Que apenas se preocupa com o quotidiano doméstico. Tal como os engraxadores que apenas se preocupam em dar lustro aos sapatos. Superficial. A concentração no lado material da vida onde a ausência de diálogo no relacionamento levaria à morte desse mesmo relacionamento.

Olhos de Cão Azul é o conto sobre uma jovem de “olhar fugidio e líquido” que atrai o narrador de uma forma irresistível, como a chama azulada de uma vela ligeiramente matizada de cinza, a que chama de Olhos de Cão Azul. Trata-se de uma comovente história de uma fixação.
Sedução.
Beleza.
Mistério.
Magnetismo.
Um olhar cinza-pálido.
Azulado.
Quase prata.
Olhos de Cão Azul é o sonho hipnótico, sonhado a duas vozes e partilhados por duas mentes.
Um sonho que se evapora com o despertar…

A terceira estória desta secção, A Mulher que chegava às seis, fala de um amor incondicional – no fundo, a temática comum a todas as estórias da obra, que se prolonga quase sempre para além da morte.

A Noite dos Alcaravões, dá à luz o drama da vida de três cegos que a quem estas aves arrancaram os olhos (alegoria à perversão dos regimes totalitários?). Tal como as harpias, os alcaravões castigaram três homens que a partir da malfadada noite em que bebiam cerveja enquanto conversavam na esplanada (após um eventual recolher obrigatório) já só conseguem amar, ver e imaginar o corpo de uma mulher pelo olfacto...

Alguém desarruma estas Rosas - vermelhas e brancas – cultivadas pela jovem envelhecida que com elas ornamenta a campa do amigo de infância. Todos os Domingos há alguém que desarruma, misteriosamente, as rosas do altar votivo, sempre que ela se aliena do mundo terreno, numa espécie de sonho acordado…

Em 1951 há apenas uma pequena estória a sair da pena de García Márquez: Nabo, o Negro que fez esperar os Anjos. Mais propriamente o anjo da Morte que deveria tê-lo levado após o acidente com o cavalo, que o deixa a viver no limbo entre este mundo e o outro. Os anjos chamam-no para tocar no coro mas Nabo fá-los esperar dois anos – período em que esteve inconsciente.

Depois a lesão cerebral prologa-lhe a vida por mais quinze com visível decréscimo das faculdades mentais. Mas o facto de a razão se encontrar afectada não o impede de se devotar a uma causa: colocar a Música no quarto da Menina…que nunca cresce.

A intolerância dos outros não lhe diminuiu a vontade de viver, agarrando-se ao mais pequeno pretexto para continuar a habitar o mundo terreno…

Os últimos dois contos, apesar de escritos em anos diferentes, em 1954, Um homem chega debaixo da chuva e 1955, Monólogo de Isabel vendo chover em Macondo, são versões do mesmo fenómeno que se complementam.

A chuva torrencial e a épica enxurrada vinda dos Andes são o fenómeno que liga as duas estórias. A chuva cujo cenário é completado pela visita de um forasteiro, uma jovem que espera, a Solidão, profunda e inevitável, a clausura das paredes de uma casa e o isolamento provocado pela cheia são os ingredientes que compõem as duas últimas estórias de Olhos de Cão azul e de onde emerge a base para o mais notório romance do Autor: Cem Anos de Solidão.

O canto melancólico da chuva é como que um canal de comunicação que traz as vozes de outras paisagens, do passado e do presente. É, portanto, a chuva que desvenda a temática fundamental, o fio de condutor da obra. A chuva traz a lembrança das vozes que se perderam no Tempo. Ursula, uma das principais personagens femininas de Cem Anos de Solidão (onde também figura o coronel Aureliano Buendía que é referido no texto) é, aqui, a jovem que espera e ouve as vozes dos fantasmas do passado, vindas do céu e contidas nas gotas da chuva…

Também a Isabel de Monólogo de Isabel vendo chover em Macondo faz parte do mesmo romance posterior a Olhos de Cão Azul. Trata-se de uma personagem utiliza o pretexto da magnitude das cheias andinas para fazer uma viagem introspectiva, associando o fenómeno natural a um ciclo de renovação – “porque a chuva dava uma nova vida ao alecrim e ao nardo”. Mas a magnitude da monção, após um verão de sete meses infernalmente secos, assume a dimensão trágica de uma catástrofe, semelhante a um terramoto ou um tsunami com a consequente perda esmagadora de haveres e vidas humanas…

Morte, devastação, isolamento…Solidão. E a chuva que convida ao alheamento , à melancolia e à desesperança, trazida por uma humidade tropical opressiva, que retira as forças e a vontade de agir à população explicam a morbilidade como sendo um traço geral da personalidade colectiva da população sul-americana – semelhante ao aroma da goiaba a apodrecer como afirma o Autor em O Aroma da Goiaba, em entrevista a Plínio Apuleyo Mendoza.
Apatia e paralisia, despoletadas pelo efeito narcótico do clima tropical, sobretudo pelas chuvas torrenciais que despoletam um intenso desejo de antecipação e um sentimento de impotência humana pela impossibilidade de condicionar o clima dos trópicos.

Apesar de o último conto desta bela e intrigante colectânea datar de 1955, esta só viria a ser publicada em1974, após a consagração do Autor como romancista.

Poder-se-á dizer que Olhos de Cão Azul será o lado oculto, lunar, de García Márquez.

O olhar doloroso da solidão – soledad, que é, também, o mais próximo que existe em castelhano da palavra saudade – que entra na alma …

…como a chuva.


Cláudia de Sousa Dias

24 Comments:

Blogger Wolf said...

Olá Claudia

de facto adoro ler-te, tens uma apurada forma de aprisonar os teus leitores na envolvencia das obras que comentas... tou certo ...

gosto de te ler..

Kiss Kiss

6:36 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

olhos de lobo azul...

;-)

CSD

1:11 PM  
Blogger CNS said...

Será o próximo na minha mesa de cabeceira. O proximo do "meu" Gabriel.

um beijo

1:36 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Aho que acabou de sair outro..."A hora Má...", mas não sei se será esse o meu próximo...


CSD

2:05 PM  
Blogger Pedro said...

Já li este livro!

Gostei, e foi a minha primeira leitura de Gabo!

São textos surreais, e cada conto merece uma análise... profunda, bastante. Concordo com o que tu disseste, quase plenamente em linhas gerais. Não achei "macabro", mas sim realista mágico. São textos que ultrapassam a realidade, mas que se situam no inconsciente de cada um de nós. Um lado inconsciente, talvez.

7:46 PM  
Blogger Juan Carlo Moravagine said...

Como sempre seu blog me faz cresecer, lhe agradeço desde já à visita e os conselhos no meu Humilde espaço.

Ainda conheço pouco à respeito de Gabriel Garcia Marques, 100 anos de solidão me marcou muito.

abraço!


OBS: Você conhece Antonio Craveiro?

8:54 AM  
Blogger Luís Galego said...

li este post como um conto....e gostei!!!!

8:01 PM  
Blogger luci said...

quase prata

olhar azul

[ envelhecer

antes de

ser




muito ...viagem :)





beijo

3:39 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

é no incnsciente que se refugiam~, normamente os sentimentos mais obscuros, os medos mais secretos, logo os pensamentos têm temdência a serem macabros ou algo mórbidos...

CSD

11:55 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Também não i todos os do Grabriel...de Craveiro já ouvi falar mas nunca li..encontrei várias refências, creio mesmo que em obras de Jorge Amado...


CSD

11:56 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Quem me dera escrever um conto como os de Gabriel! asim teria ganho o P´remio literário da Camara Municipal de Cuba!


CSd

11:57 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Gostei
luci

muito

do teu poema de olhos de cão azul...


;-)


CSd

11:58 PM  
Blogger Wolf said...

CSD


muito bom este conto...

obrigado pela referenciação.. e identificação que se coaduna em parte na complexidade tangivél... a meu ver e entender..

;)

kiss

3:08 AM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

beijinho e obrigada, wolf


CSD

6:19 PM  
Anonymous Anonymous said...

ola!
para portugues tenho o trabalho de ler um livro durante o 2ºperiodo e outro durante o 3º.
gostava que me aconselhasss dois para eu ler e trabalhar sobre eles..
bjs..

7:42 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

bem aconselhote um livro do Eça de Qurirós - o Mandarim , por exemplo - e depois um do mia couto


podes começar por um conto...por exemplo.podes também iniciar-te na poesia de Sophya...


CSD

6:04 PM  
Blogger Rui said...

Curiosa a evolução do autor, que me parece comum a muitos outros: juventude/inicio mais sombrio e o caminho para a "luz". Não devia ser ao contrário?

4:03 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

talvez porque a vida tenha começado a correr-lhe de feição...

e porque é optimista e estável isso reflecte-se na escrita.


CSd

4:33 PM  
Anonymous djamb said...

Comecei a ler García Márquez pela primeira vez com "Memória das Minhas P*tas Tristes" e estou a gostar mto. Espero que "Olhos de Cão Azul" seja tão bom assim.

12:21 AM  
Blogger Yin Zhen said...

Estou actualmente com O aroma da Goiaba em mim, livro que me leva a compreender Garcia Marquéz um pouco mais, mas queria deixar-te uma sugestão, As travessuras de uma Menina Má, de Vargas Llosa.

6:56 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

djamb, são muito diferentes. o livro de que falas é uma sátira ao dom juan e um murro do estômago da Censura.

o deste post fala das angústias interiores e das perdas.

mas quem gosta da prosa de García Márquez e não fica À nora com o bizarro, isto. quem não tem dificuldade em sair do quadrado acha o livro excelente.

CSD

8:29 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

Yin Zhen, o primeiro, já li. O segundo, não.
Do outro autor que falas li há pouco "A Tia Júlia e o Escrevedor". Mas como tenho escrito mito ouco ultimamente ainda vou demorar um pouco a publicá-lo.

Obrigadíssima pela visita!

Um abraço

CSD

8:32 PM  
Blogger Dalaila said...

eu adoro o Gabriel, este ainda não está na minha mesinha cabeceira.

beijo escreves sempre tão bem.

1:40 PM  
Blogger Claudia Sousa Dias said...

é s uma querida, Dalaila!

obrigada.


CSD

2:04 PM  

Post a Comment

<< Home